O mal começa pequeno – Saiba como evitar aftas, espinhas e terçol

Aftas, espinhas e terçol são problemas pequenos, que costumam aparecer de repente e podem causar muito incômodo no dia a dia das pessoas. No Bem Estar desta quinta-feira (16) [de maio], a dermatologista Márcia Purceli e o cirurgião do aparelho digestivo Fábio Atui deram dicas do que fazer quando esses problemas aparecem e como evitá-los.

O terçol, por exemplo, é uma infecção na região dos olhos que pode formar celulite facial e até mesmo uma calcificação, que só consegue ser removida com cirurgia. Por isso, é importante não ignorá-lo e, caso o inchaço comece a se espalhar pela pálpebra, é ideal procurar um médico, como alertou a dermatologista Márcia Purceli.

 As causas podem ser genética ou uso incorreto da maquiagem, seja por causa de produtos vencidos ou por causa da má remoção.

De acordo com o cirurgião Fábio Atui, existem alguns mitos sobre o terçol, como a ideia de que o colírio ajuda a aliviar – isso não é verdade, não se deve passar nada nos olhos porque, em alguns casos, pode até piorar. A dica para melhorar é colocar compressas quentes para acabar com o processo inflamatório da pálpebra – pode ser uma massagem leve com a água quente do banho ou um algodão com soro fisiológico aquecido, por exemplo.

Bem Estar - Infográfico sobre terçol (Foto: Arte/G1)

As espinhas também são infecções bacterianas nas glândulas sebáceas. Pessoas que têm a pele oleosa costumam sofrer mais com o problema e, nesses casos, é ainda importante tomar medidas preventivas, como lavar bem o rosto, esfoliá-lo, ter uma boa alimentação e retirar muito bem a maquiagem.

Em relação à alimentação, pesquisas recentes mostram que o leite pode desencadear espinhas porque estimula a resistência periférica da insulina. Com isso, o excesso de açúcar aumenta a quantidade de espinhas e, por esse motivo, o chocolate costuma ser um alimento vilão para quem sofre com acne. Nesse caso, a dica é optar sempre pelos mais amargos, que têm maior quantidade de cacau.

No entanto, caso a pessoa continue com o problema após a adolescência, ela pode ter a doença acne e, nesse caso, é bom procurar um médico para começar um tratamento com remédios, que podem diminuir a produção de sebo.

No entanto, muitos pacientes reclamam que, mesmo com o uso do medicamento, não conseguiram se livrar da doença – segundo a dermatologista Márcia Purceli, isso pode acontecer caso a glândula seja muito grande e o remédio só conseguiu diminuir parte de seu tamanho. Nesse caso, após 6 meses, o paciente deve retomar o tratamento.

A médica alerta ainda que o medicamento deve ser indicado por um dermatologista, que pede uma série de exames antes de iniciar o tratamento. Além disso, é importante saber que o remédio pode dar efeitos colaterais, como problemas no fígado, problemas na gravidez e boca seca. Caso o paciente tenha a receita médica, ele pode conseguir o remédio através do SUS, mas só para quem tem acne nos estágios mais avançados.

info Bem Estar cravos e espinhas (Foto: arte/G1)

O cirurgião do aparelho digestivo Fábio Atui comentou também sobre as aftas, que são úlceras dentro da cavidade oral, que podem variar de mais ou menos 1 centímetro de diâmetro. Mais freqüentes em mulheres, as aftas estão relacionadas com fatores genéticos e podem causar muita dor.

O médico lembrou ainda que ter aftas não é uma doença, mas um sintoma de uma doença, como anemia, deficiências imunológicas, doença do refluxo gastroesofágico, doenças reumatológicas, doenças inflamatórias intestinais ou doença celíaca, por exemplo. Além disso, traumas durante a escovação bucal, mau uso do fio dental ou do aparelho ortodôntico também podem desencadear o problema.

Há ainda a opção de estomatite aftoide, uma doença que provoca muitas aftas na boca e também nos lábios, com períodos brandos e graves, que são desencadeados por situações de estresse, má alimentação e cigarro. O paciente, nesse caso, deve procurar um médico.

*No vídeo ao lado, a dermatologista Márcia Purceli e o cirurgião do aparelho digestivo Fábio Atui respondem perguntas dos internautas. Confira!

Bem Estar - Infográfico sobre aftas (Foto: Arte/G1)

Deixe uma resposta